Consumo em Alerta!

0 Love

O que nos cabe é reduzir o consumo, reusar as coisas e comprar produtos recicláveis.

 

O meu consumo é consciente ou um consumo alienado?

Penso cuidadosamente em que tipos de materiais são usados nas coisas que compro e quais resíduos deixarei?

O desperdício de alimentos, de materiais de limpeza, coisinhas que nem notamos, contribui para expandir os desmatamentos, servindo a imensos lixões.

É só guardar por uma semana tudo o que se jogaria fora porque não tem utilidade:

copinhos plásticos, folhetos de propaganda, embalagens de isopor etc.

Uma semana de apenas uma pessoa, entre milhões que também consomem!

Produzimos lixo, não pensamos sobre ele e simplesmente jogamos fora! Só que a história das coisas não acaba nesse momento.

 

Comprar diferente e fazer a diferença no dia a dia

Reduzir o consumo e reusar tudo o que puder ser aproveitado: transformar em útil o que se tornou inútil, e o velho em novo.

Reciclar significa dar vida útil novamente. Por exemplo: uma latinha de alumínio usada é transformada através da indústria em uma lata nova.

 

 Pense antes de comprar comida industrializada

 

A indústria da comida

 

Manter a saúde é um desafio com os males da evolução industrial; contudo, manter-se informado e analisar é uma forma de fugir de certos riscos que podem ser sérios.

Uma verdadeira explosão de aditivos químicos marcou a passagem da alimentação natural à alimentação industrializada; o armazenamento, a estocagem, a conservação e a distribuição de alimentos exigiram o uso dos produtos químicos.

Os aditivos são substâncias acrescentadas nos alimentos para alterar a cor, o sabor, a textura, o aroma e prevenir a deterioração. O agravante é que não se coloca nos rótulos dos produtos a quantidade de aditivos adicionados, nem a quantidade tolerada pelo homem.

Estudos científicos mostraram que de 30 a 50% das crianças com sintomas de hiperatividade apresentam uma melhora no comportamento quando alimentos ricos em aditivos químicos, particularmente os corantes, são eliminados da sua alimentação.

O uso desses corantes muitas vezes é desnecessário; o objetivo é embelezar o produto, visando atingir principalmente o consumidor infantil, muito atraído pelas cores.

O nitrito de sódio ou de potássio usado para dar a bela cor avermelhada das carnes pode formar substâncias cancerígenas.

 

Você sabe que os alimentos industrializados viciam?

Os aditivos presentes nos alimentos são capazes de nos enfeitiçar, pois ressaltam os sabores, os cheiros, alteram a cor, deixando o resultado final colorido, cremoso, adocicado, atraente. Isso vicia, porque o paladar se acostuma com esse tipo de sabor.

Se você se alimenta principalmente de comida pronta e come em lanchonetes, pode perder energia: seu corpo fica exaurido, perde a concentração e produz uma preguiça incontrolável.

A melhor alternativa são as “comidas de verdade”, consumindo menos comidas que vêm em latas, copos, potes, embalagens plásticas.

 

Perigo dos aditivos químicos nos alimentos e os efeitos negativos para nossa saúde

– Aromatizantes: dores de cabeça, alergias respiratórias ou de pele, retardo do crescimento, perturbações metabólicas variadas, diminuição da resistência.

– Corantes: estão intimamente relacionados com a hiperatividade em crianças, alergia, asma; há também possibilidade de serem cancerígenos.

– Conservantes: podem ser tóxicos para o sistema nervoso, irritar a mucosa digestiva e das células que revestem a bexiga. Possivelmente ligados à formação de tumores vesicais.

– Antioxidantes: interferem no metabolismo, aumentam a incidência de cálculos renais, têm ação tóxica sobre o fígado e causam reações alérgicas, descalcificação e redução da absorção do ferro.

– Flavorizantes: podem causar alergias e alteração do comportamento.

 

Restrinja ou evite o consumo de:

– Gorduras hidrogenadas: doenças vasculares e obesidade.

– Açúcares e adoçantes: obesidade, cáries, diabetes, hipoglicemia, triglicérides (gordura na corrente sanguínea), candidíase.

– Aspartame e sacarina: hiperatividade, problemas no comportamento, alergia (o governo desaconselha o seu uso para crianças e gestantes).

– Farinhas refinadas: desbalanceamento dos carboidratos, alterações na produção da insulina.

– Sal em excesso: retensão de líquidos no corpo e aumento da pressão arterial.

– Olestra (uma qualidade de gordura artificial): causa diarreia e distúrbios digestivos.

Procure examinar os alimentos, aprender a ler os rótulos e saber o que significam estes códigos: H.I, A.I, P.II – é preciso saber o que estamos levando para casa como alimento.

 

Reduza os supérfluos

Não utilize produtos que agridam a natureza, somente produtos biodegradáveis e recicláveis.

Nas compras, utilize sacolas de pano.

Evite comprar legumes, frios e carnes em bandejas de isopor que não for reciclável.

Utilize a coleta seletiva de lixo: vidros, plásticos metais, papéis, óleo de cozinha usado… Se onde você mora não há reciclagem, chame a Comlurb ou a empresa especializada de sua cidade para a retirada dos mesmos.

Não pegue panfletos entregues nas ruas, apenas se precisar.

Evite comprar produtos com excesso de embalagem, como as de presentes.

Em casa, tenha o hábito de apagar as luzes.

Não gaste água sem necessidade, e não esqueça a torneira aberta.

Retire da tomada o que não estiver usando.

Faça uso de lâmpadas que economizem energia.

Guarde alimentos em recipientes, não em folhas de alumínio e papel filme.

Não desperdice alimentos. Coloque no prato o que for realmente comer.

Não jogue pilhas usadas no lixo, por serem tóxicas ao meio ambiente – existem lugares próprios para o descarte (Ecoponto).

Além de gastar menos água doce, menos energia, não jogue lixo nas ruas, para evitar entupimentos.

Trate a natureza como um ser vivo: o mundo fica mais bonito com a natureza bem cuidada.

Plante árvores e cuide com carinho das árvores e plantas já existentes.

Não pise na grama e não arranque folhinhas e pétalas das flores dos jardins.

Não maltrate os animais.

Ande mais a pé e de bicicleta.

Leve na bolsa uma toalhinha, um copinho e uma garrafinha com água… Assim evitamos os descartáveis!

 

Quanto tempo leva para o lixo se decompor:

Plásticos – de 20 até mais de 100 anos

Metal – 50 anos

Latas de alumínio – 100 anos

Garrafas de plástico – centenas de anos

Cacos de vidro – mais de 10 mil anos

Tampas de garrafas – 150 anos

Sapatos de couro – 50 anos

Pneus – desconhecido

 

Para fabricar uma tonelada de papel são consumidas 17 árvores!

Observamos que o nosso consumo está ligado com a natureza e com a humanidade; transformemos em útil o que se tornou aparentemente inútil, e o velho em novo!

 

Pesquise mais!

 

Forte abraço!

Jane Fiorentino

 

O conteúdo deste post é de inteira responsabilidade do autor – escrito por Jane Fiorentino.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esquadrão da moda