Motivar Funcionários

0 Love

Assim como Kylie Jenner e inúmeros adolescentes e millennials, a Moncler tem seu próprio finsta (uma conta de instagram paralela somente para seguidores selecionados). E, assim como qualquer outra conta do Instagram que não seja para consumo público, o feed secreto da marca de roupas italianas é reservado para o mais próximo e o mais querido da empresa – nesse caso, seus funcionários.

O conteúdo não é tão diferente do que algumas marcas publicam atualmente: os funcionários de toda a empresa podem participar de aulas de ioga, fazer cursos de nutrição e assistir a sessões de saúde mental ou palestras de oradores convidados.

Mas, em um mundo em que as quarentenas obrigam os funcionários a trabalhar remotamente por semanas a fio, a empresa precisa ser criativa para manter a equipe conectada, conta o presidente-executivo Remo Ruffini sobre a decisão de iniciar a conta.

“Hoje, mais do que nunca, um sentimento de pertencimento é essencial para capacitar as pessoas a enfrentar tempos inesperados e situações desafiadoras”, disse ele ao BoF por e-mail. “É por isso que […] pensei que precisávamos criar um espaço virtual para substituir o físico onde costumávamos nos encontrar.”

A Moncler não é a única empresa que luta contra o moral baixo em tempos de incerteza. Bilhões de pessoas foram obrigadas a ficar em suas casas enquanto uma pandemia mortal se enfurece do lado de fora; pesquisas mostram níveis de ansiedade e depressão em alta.

Muitas empresas estão descobrindo que as reuniões do Zoom e os e-mails de toda a empresa do CEO não são suficientes para manter os funcionários motivados e otimistas.

A chave, dizem os especialistas, é liderar com compaixão, concentrando-se em fornecer suporte e facilitar a conexão.

“A maior coisa que nos foi tirada no momento é essa conexão, essa conexão física que temos com as pessoas com quem trabalhamos”, disse Karen Harvey, fundadora e CEO da Karen Harvey Companies, uma empresa de serviços de consultoria para empresas de moda de luxo. “Muitas vezes não temos consciência desse abraço de bom dia quando entramos no escritório ou da conexão que há quando tomamos um chá.”

 

Comunicação não significa nada sem confiança

Muitas empresas estão se comunicando com mais frequência com os funcionários desde que a pandemia começou, por e-mail ou por check-ins regulares por meio do Zoom ou do Google Meet. No entanto, a comunicação pela comunicação servirá apenas para minar a liderança e frustrar os funcionários. Os líderes precisam criar confiança, compartilhando informações de maneira aberta e honesta.

“A parte crítica é a transparência”, disse Kristy Hurt, dona de uma consultoria de RH especializada em moda e luxo. “Mesmo que as notícias sejam ruins, é realmente importante ser completamente transparente sobre o que você sabe e o que não sabe.”

Isso pode ser um desafio quando a liderança deseja proteger a empresa em geral de se preocupar com o futuro dos negócios. Mas os executivos não devem menosprezar as más notícias, disseram o fundador da Lyst e o CEO Chris Morton.

“Não acho que você tire o melhor das pessoas dessa maneira, mesmo que seu pensamento tenha a intenção de protegê-las”, disse Chris. “Tentamos ser o mais abertos que conseguimos, e então as pessoas podem todas contribuir para a solução que buscamos.”

Morton disse que compartilhava os dados da empresa com seus funcionários, mesmo quando isso era “bastante assustador para os negócios”, explicando como diferentes cenários afetariam a receita e a lucratividade. Quando as perspectivas da empresa começaram a melhorar, ele compartilhou isso também.

Muitas empresas também estão dando espaço para que os funcionários deem feedback. Tais sessões são mais eficazes quando os líderes mostram que estão agindo quanto a sugestões ou pelo menos são honestos sobre elas.

“É muito importante garantir que todos saibam o que queremos fazer e o que já tentamos”, disse Max Bittner, CEO da Vestiaire Collective.

 

Encontre maneiras de se conectar além do trabalho

Encontrar formas de se conectar socialmente é essencial, pois muitas pessoas se sentem isoladas e solitárias.

Os líderes devem incentivar a equipe a manter as interações sociais que normalmente acontecem no bebedouro do escritório ou na copa.

A cultura interna de nenhuma empresa é homogênea. Alguns funcionários podem participar de um questionário semanal virtual de pub, enquanto outros preferem um intervalo de café no Zoom mais casual à tarde. A conta interna do Moncler no Instagram serve como ponto de encontro dos funcionários, do CEO em diante.

“Às vezes pensamos que nossa comunidade está fora do trabalho”, disse Harvey. “Mas acho que o que percebemos durante esse período é que nossas empresas também são nossas comunidades.”

 

Estabelecer limites – e aplicá-los

Graças à tecnologia, muitas empresas podem continuar as operações diárias com pouca interrupção. Mas a desvantagem é que muitos funcionários sentem que a vida em casa e a vida profissional estão se confundindo.

“É maravilhoso ter todas essas ferramentas e sistemas no lugar, [mas] é muito mais importante garantir que as pessoas se sintam bem em casa”, disse Sian Keane, diretor de pessoal da Farfetch.

Para ela, as empresas precisam garantir que os trabalhadores façam intervalos regulares. Os funcionários que cuidam de crianças ou parentes doentes precisam de mais flexibilidade em torno do horário de trabalho. A Farfetch permite que os funcionários convertam dias de férias normalmente dedicados a atividades de caridade em “dias de carinho”, se precisarem de um tempo para apoiar um ente querido.

 

Dê aos funcionários uma missão

Harvey sugere que os líderes apresentem metas para os próximos seis meses e comuniquem claramente como os funcionários podem contribuir.

“Isso dá às pessoas uma visão de curto prazo, algo em que elas realmente podem se esforçar para atingir seus próprios objetivos”, disse ela.

O coronavírus pode ter mergulhado os negócios em geral no modo de sobrevivência, mas isso não significa que os funcionários devam sentir que suas carreiras estão indefinidamente ameaçadas. Da mesma forma, para aqueles que seguem empregados, é importante ter um trabalho significativo durante esse período, para manter a equipe motivada.

“O que estamos descobrindo agora é que podemos utilizar as habilidades das pessoas que não conseguem desempenhar seu papel em outras áreas da empresa, para que possam apoiar seus colegas e membros da equipe durante esse período”, afirmou Keane, da Farfetch.

Por exemplo, alguns funcionários de varejo foram acionados para ajudar as equipes de relacionamento com o cliente enquanto as lojas estão fechadas. Na prática isso ajuda os negócios em geral, além de oferecer aos funcionários novas oportunidades de carreira. A empresa também está lançando um sistema de aprendizado on-line e desenvolvimento profissional.

 

Não se esqueça de comemorar os ganhos

Durante um período de crise, é fácil se bitolar focando exclusivamente em emergir do outro lado. Mas não se esqueça de comemorar pequenas vitórias ao longo do caminho, e dedique algum tempo para reconhecer o trabalho árduo da equipe.

A marca sueca de moda masculina Asket, por exemplo, recentemente concluiu seu documento de princípios da empresa, sua própria versão das diretrizes de governança corporativa. Para a equipe de 12 pessoas, esse era um grande projeto, que estava em andamento há algum tempo. A equipe reservou tempo para reconhecer a conquista com bebidas em um bate-papo por vídeo.

“Agora que está tudo pronto, compartilharemos uma cerveja e batatas fritas on-line”, disse Sarah Arts, gerente de relações públicas da Asket, “para dar um tapinha virtual nas costas”.

 

Quer dicas e inspirações de moda? Então siga o Instagram da Isabella Fiorentino.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esquadrão da moda