Quaresma e oração

0 Love

Orar é um ato que transforma o ser humano para o bem, tanto nas atitudes morais como nas espirituais, e sobretudo despertando o sentido do sagrado, que está prestes a desaparecer.

A oração é um som de inspiração divina que deve vir do coração, e não somente dos lábios.

Uma queixa, um grito de angustia, um pedido de socorro, e, quando em seu estágio de aperfeiçoamento, uma serena contemplação com a elevação da alma até Deus, que não é de natureza intelectual, e por isso conserva-se inacessível para muitos que querem compreender com a mente. Neste estágio de oração, basta somente um esforço para nos elevarmos até Deus.

 

Busquemos o auxílio de Deus através da oração

A busca constante dessa fonte suprema como um socorro em todas as circunstâncias da vida nos ajuda a aumentar a nossa capacidade de superar ou suportar uma situação difícil.

Algumas pessoas com um nível espiritual elevado, que já não anseiam as coisas da Terra por terem muita intimidade com Deus, podem realmente alcançar seus pedidos através da oração, porém acham desnecessário pedir, uma vez que estão totalmente alinhados com a perfeita vontade do Pai Celestial.

Jesus foi mestre de oração, e em constante comunhão com o Pai se retirava para orar.

A oração do Pai Nosso, ensinada por Jesus, está fundamentada em sete pedidos.

Quando rezamos o Pai Nosso, fazemos a mais bela oração.

Vamos pensar no carinho que os nossos lábios expressam, compreendendo cada palavra e trazendo ao pensamento Aquele a quem nos dirigimos.

Sinta-se bem próximo; Ele nunca fica longe de quem o procura.

 

“Pai nosso que estais no céu, santificado seja o vosso nome; venha a nós o vosso Reino.

Seja feita a vossa vontade, assim na Terra como no Céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje,

perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido,

e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Amém.”

Aquele que oferece o seu Reino divino à nossa alma está perto de nós e não deixará de ouvir a nossa prece:

“Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”.

 

Muito se tem a perdoar e pedir perdão!

A alma que se junta ao Pai chega à mesma compaixão com que Ele perdoa.

Quem tem presente na lembrança a compaixão que Dele recebeu, com tantos sinais de amor em sua vida, alegra-se quando se lhe oferece a ocasião de perdoar.

 

Purificação espiritual

Quando oramos, nossos corpos físico e mental começam a ser purificados, e isso leva a um aumento do desejo de estar com Deus.

O próprio ato de orar significa que precisamos ajudar uma mente ainda “autossuficiente”, porque nem tudo conseguimos fazer sozinhos!

Quando aceitamos a nossa incapacidade de resolver todos os problemas por nós mesmos, nosso ego é reduzido, e há um aumento no nível espiritual. Porém, quando também expressamos o sentimento de gratidão e humildade, o efeito é ainda maior!

O Pai recebe a oração de todos, e responde ao coração quando de coração estamos com Ele.

 

“Pedi e se vos dará. Porque todo aquele que pede, recebe…

Quem de vós dará uma pedra a seu filho, se este lhe pedir um pão?

E se lhe pedir um peixe, dará uma serpente?

Se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai celeste dará coisas aos que lhe pedirem.”

 

A confiança que depositamos no Pai é que tudo o que pedimos deve ser conforme a Sua vontade. É assim que a nossa oração será atendida, porque nem tudo o que desejamos é para o nosso bem!

 

A importância da oração

Oramos para beneficiar a nossa vida, a vida das pessoas, e principalmente para o nosso crescimento espiritual.

No plano material, oramos por situações difíceis ou insuperáveis: a perda de uma pessoa, uma doença incurável, problemas financeiros graves etc.

No plano espiritual, oramos com o propósito de entrar em intimidade com Deus.

 

Rezar pelos outros

Quando rezamos pelos outros, a força espiritual requerida é muito grande. Quanto mais o desejo da intenção, mais força espiritual para o efeito desejado.

O que decide a eficácia da oração é o nível espiritual de quem reza.

A importância da humildade, a frequência com que se reza, se a oração é mecânica ou se é realizada com fé.

A oração muitas vezes se torna estéril e sem resposta pelo nosso orgulho. Por isso, é preciso incluir o sentimento de humildade.

 

Oramos pedindo intensamente algo que necessitamos

Nos dirigimos a Deus por palavras ou pensamento, colocando o nosso sentimento em Sua total dependência.

Expressando o nosso desamparo, as nossas queixas, um pedido de socorro, pedindo perdão, agradecendo.

O resultado da oração é um aumento da força espiritual que nos faz sentir aliviados da angústia, principalmente nos momentos de crise.

 

As palavras da oração não precisam ser discursos

Pense num assunto concreto e fale com simplicidade:

 

“Meu Deus, será que sou orgulhoso, por isso erro com frequência e demoro em me corrigir?

 

Será que sou desonesto, mentiroso, impaciente, arrogante? Preciso de ajuda!”

 

Preparando-se para orar

Procure ter a mente desocupada de tantas coisas que nos cercam, e das coisas feias do mundo…

 

– Feche os olhos do corpo e olhe para o seu coração… sinta a consideração e o amor que Deus tem por você.

– Incline a cabeça (quando inclinamos a cabeça despertamos a fé espiritual)

– Faça um exame de consciência e peça perdão…

– Sinta sua consciência limpa. Deus está acima da natureza humana; é a Sua generosidade que nos purifica.

– Agora basta um pequeno esforço para se aproximar…

– Humildemente fale das dores do seu coração, sejam elas físicas, emocionais, mentais, espirituais ou materiais…

 

“Cura-me, Senhor!

Cure a minha mente, o meu corpo, a minha dor… (fale quais são)

Purifica o meu coração…

Limpa a minha alma para estar contigo e seguir o Teu caminho que me levará à perfeição.”

Depois da oração, que pode durar alguns minutos, descanse, repouse em Deus e ouça a sua voz:

“Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis tudo o que quiserdes e vos será feito, para que deis muitos frutos e vos torneis meus discípulos.”

 

O Mestre nunca está longe dos seus discípulos!

 

Temos de desaprender o condicionamento e a dependência dos cinco sentidos físicos e irmos além, para despertar o nosso nível espiritual!

Quando a oração é habitual e verdadeiramente fervorosa, um impulso brota do mais profundo da natureza humana, e há um aumento do nível espiritual ao longo do tempo que influencia no pensamento e na ação.

 

Formas de orar e como viver cada tipo de oração

A oração pode ser vocal, mental ou contemplativa.

Todas as formas de oração tem em comum o recolhimento, o respeito e a fé.

Não oramos porque temos tempo; devemos reservar um tempo para rezar.

Jesus dizia: “Entra no teu quarto, fecha a porta e ora ao teu Pai em segredo” (Mateus 6,6).

Podemos orar no quarto, na igreja, em uma capela tranquila, em um jardim silencioso.

O importante é se concentrar na oração. Pode ser por 10 minutos diários, e ir aumentando o tempo.

 

Oração vocal: todos podem participar

A oração vocal é a união do corpo e do espírito através das palavras.

A repetição das palavras, ouvindo a própria voz, produz uma vibração que lentamente vai acalmando as atividades mentais, transportando a pessoa para além dos sentidos físicos.

Jesus rezava todos os tipos de oração. Passava horas ou a noite inteira conversando com o Pai (Lucas 6,12).

Rezava salmos e orações judaicas ao participar dos cultos na sinagoga e seguia todo o cerimonial das festas da Páscoa judaica (Mateus 26,30).

Na oração vocal, é importante colocarmos amor nos lábios e não rezar somente com as palavras. Quando participamos da Liturgia da Missa, nos salmos, no terço, ladainhas, poemas, cânticos religiosos nas orações da manhã, da noite etc.

Mesmo quando nos encontramos no “deserto espiritual”, sem vontade de rezar, um Pai Nosso, rezado com amor no coração, restaura a nossa alma!

 

Oração mental

A oração mental põe em ação o pensamento, a imaginação, a emoção, a realidade e os desejos da vida.

É quando falamos com Deus em silêncio, só com o pensamento e os sentimentos do nosso coração, sem nenhuma fórmula fixa.

É um diálogo espontâneo falando da nossa vida, nosso trabalho, dificuldades, dúvidas, desejos…

Na verdade, nem sempre conseguimos estar em concentração. Mas vale a pena fazer um esforço para aprendermos.

Diga mentalmente: “Senhor, me ajude a falar contigo!”

Quando praticada com frequência, a oração mental torna-se uma fonte maravilhosa de paz e de clareza mental, de novas perspectivas de vida, de amor profundo pelo próximo e pela vida.

A oração mental pode surgir a qualquer momento e em qualquer lugar. Aproveitemos as inspirações que recebemos do Espírito Santo de Deus!

 

Meditação

Para a meditação, utilizamos um livro de fé ou a Bíblia Sagrada, parando nas passagens que nos causam mais impressão.

Depois de haver meditado nessa passagem, fale com Deus; agradeça por ter tirado uma dúvida de fé ou por ter tido coragem para tomar certas decisões…

Se no momento da meditação sua alma estiver em grande aflição, basta dizer: “Meu Deus, socorrei-me!”

Antes de terminar a meditação, é importante tomar uma resolução, evitando com mais cuidado repetir os mesmos erros.

Por exemplo, aturar o gênio de uma pessoa, suportar com paciência uma pessoa irada, não se envolver em conversas fúteis e fofocas etc.

Para terminar a meditação, fixe o propósito de cumprir a resolução tomada, dizendo:

“Meu Deus, peço ajuda, dai-me a força de agir fielmente nas resoluções que tomei!”

Depois, rezar um Pai Nosso aos familiares, amigos e pessoas falecidas.

 

Oração contemplativa ou a noite escura da inteligência

A contemplação é a expressão mais simples do mistério da oração; é elevar a alma até Deus por meio do recolhimento e do silêncio.

Esse silêncio é inquietante para o homem “exterior”, mas as almas simples sentem a presença de Deus naturalmente, como sentem o calor do sol.

A contemplação é um dom, uma graça que só pode ser acolhida sem a presença do orgulho pessoal.

Na oração contemplativa, renunciamos ao que somos, e o nosso olhar de fé se fixa em Deus.

Deus nos espera para esse momento, fazendo cair nossas máscaras, e então entregamo-nos a Ele do jeito que somos.

O seu olhar ilumina nossos olhos e ensina-nos a ver tudo à luz da Sua verdade.

Enche-nos de força pelo Seu Espírito, para que se fortaleça o nosso interior e sejamos movidos pelo seu amor.

Sem a interferência do raciocínio e da mente, o mundo exterior se dissolve, o interior é iluminado e mergulhamos no estado de felicidade…

Nossa alma brilha e descansamos em Deus.

Sem mais a dependência dos sentidos, esse estado da alma se mantém inacessível para os que buscam compreender com a mente.

 

Os benefícios da oração

 

Na fé

Enquanto rezamos suplicantes, o orgulho é abandonado, sentimos a nossa fragilidade humana e humildemente admitimos nossa dependência de Deus.

 

No pensamento

Mente muito ativa, com pensamentos carregados de preocupações, causa desperdício de força física e emocional.

A oração alivia a mente e reduz as preocupações do dia a dia.

 

Na ação

Quando realizada fervorosamente, menos erros são cometidos, e o nosso proceder é inspirado pelo sentido da oração.

 

Proteção

Deus está sempre presente a nos dar a Sua proteção, quando nos colocamos em Sua presença com leal confiança.

A oração cria uma armadura de proteção em torno de nós contra forças maléficas, nos capacitando e nos fortalecendo para resistir a essas forças.

Não devemos ignorar que existe uma batalha espiritual no mundo invisível.

Principados e potestades são chefes e líderes da maldade, com poderes para governar e levar as pessoas à angústia, ao suicídio, aos vícios, intensificando sentimentos de culpa e medo.

Quem anda no chão da maldade, da mentira, da traição, do engano e da mais pura prática da hipocrisia, no culto do poder e da idolatria de si mesmos, permite que seja dirigido pelos líderes do mal, e na política governam para cegar a mente dos homens e levá-los ao desespero e ao caos.

 

A força regeneradora do trabalho

Também se ora por meio do trabalho.

O cumprimento do dever cotidiano, quando feito com amor, também é equivalente à oração.

Percebemos seus frutos em atos de gentileza para com as pessoas que nos rodeiam, mesmo através de um simples “Bom dia!”.

Quantas vezes nos distraímos na oração!

Isso não implica em falta de amor nem de respeito.

Não devemos desistir quando o pensamento divaga; é na constância e na disciplina que chegamos ao estágio superior da oração.

Vamos colocar nossa boa vontade e nosso amor a Deus, rezando o melhor que pudermos, mesmo que nossa oração seja bastante imperfeita.

Tenhamos o propósito de cuidar mais da oração.

Em tudo devemos dar graças a Deus!

Orando de manhã e à noite, e nas refeições agradecendo nosso alimento de cada dia.

 

Onde devemos orar?

Pode-se orar em toda a parte: no trabalho, na escola, nas ruas.

Porém, temos necessidade de lugares destinados à oração, e estes são de preferência as igrejas, ou uma capela silenciosa.

Aí encontramos condições físicas e psicológicas para a calma interior, repousando o corpo e a mente.

 

“Quanto mais as coisas deste mundo tentam nos dominar, mais devemos orar e entrar em comunhão com Deus.”

 

Que a paz e o bem permaneçam no coração de cada um de nós.

Que o amor de Deus esteja presente em cada ato que praticamos.

 

Abraços,

Jane Fiorentino

 

Referências:

Evangelho de São Mateus 7,7

Evangelho de São João 15,7

Catecismo da Igreja Católica e São Francisco de Sales

 

Este post é de inteira responsabilidade do autor. – escrito por Jane Fiorentino.

Comentários

  1. Amanda do Pequeno Rebanho 7 de março de 2016 at 14:08
    Responder

    Olá..
    Quero dizer o quanto fico feliz por ver que vocês se empenham em professar a Fé Católica. É bom ver que não estou sozinha e que ainda temos muito o que testemunhar. Que alegria!! É muito difícil, em meio às exigências do trabalho, ainda mais no meio da moda, ser exemplo de modéstia, castidade e obediência. Espero que nunca desistam de evangelizar, de aspirar o céu como diz Santa Teresinha, aspirar a santidade, pois Deus não nos inspira sonhos irrealizáveis. Sério mesmo, que alegria!

    Um beijo a vocês, que a mãezinha do Céu sempre as ensine a fazer tudo o que Jesus disser. Sejam santas!! Bjs

    “Posso, apesar da minha pequenez, aspirar a Santidade.” Santa Teresinha do Menino Jesus.

  2. Dani Buiochi 3 de agosto de 2017 at 23:40
    Responder

    Jane, lindo texto!!!
    Amei seu espaço aqui!!
    Beijos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esquadrão da moda