Viver o perdão

É preciso coragem para viver o perdão! 

Aprender a perdoar e desculpar as ofensas é um medicamento especial contra males do corpo e da mente.

Quando perdoamos, preservamos a nossa própria vida e toda uma vida de relacionamentos. Para as pessoas arrependidas, as portas do perdão estão sempre abertas, por mais graves que sejam as agressões, as dores físicas e morais e os desrespeitos.

Será que, como se encontra o mundo atual, nós esperamos conviver como seres angelicais, bondosos e perfeitos?

Na mente humana existe uma dualidade de reações instintivas.

Sentimentos bons, culpas, medos, mágoas, ódio, vingança, raiva…

Quando fazemos uma maldade, ofendemos e magoamos. Isso quer dizer que “ainda não aprendemos a lição do respeito e do amor”, nem a lição que diz que “não falemos mal de ninguém!”

  

Razão para compreender e perdoar

O perdão só existe porque todos nós cometemos erros e somos imperfeitos.

Perdoar não é aceitar tudo de forma passiva, querendo ser “bonzinho” ou “fazer as pazes”.

Nosso papel é compreender o sentimento em nós e como reagimos em relação ao sentimento do outro.

A mágoa e o rancor sempre procuram um culpado, começando pelos familiares, amigos e outros, por falta de coragem para assumir os próprios erros.

 

Expectativa sobre a outra pessoa

Vamos sair da ilusão de que os outros devem ser “bonzinhos” o tempo todo, principalmente quando agem conosco.

Quando vemos muitas qualidades em alguém e essa pessoa um dia mostra  seus defeitos, vem a decepção, mas seria previsível que em algum momento ela agisse de forma diferente daquela que esperávamos…

Desistir de esperar comportamentos de outras pessoas, se elas não conseguem realizar nossos planos.

Pense naquilo que você pode esperar de si mesmo, como ter saúde, preservar uma amizade, viver dignamente, e trabalhe duro para conseguir!

Sem aceitar as pessoas, com suas características pessoais, não há como perdoar.

 

Uma forma de obtermos a compreensão, facilitando o ato de perdoar

 Um exercício é manter-se a uma certa distância da pessoa e do problema e desligar-se das represálias para o que, naquele momento, não conseguimos resolver.

Esse distanciamento fará com que a interpretação da situação não se torne exagerada.

No afastamento, com uma visão mais clara, teremos tempo para nos compreender, deixarmos o papel de vítimas e compreender a atitude da outra pessoa.

 

O perdão e o autoperdão

O perdão traz um grande alívio para quem perdoa, mas nem sempre para quem é perdoado.

Muitas vezes este não consegue se livrar da acusação de sua consciência.

Com o autoperdão, reconhecendo nossos próprios erros, encontramos forças para reformar nossas atitudes, livrando-nos de culpas.

 

O quanto desejamos receber o perdão das pessoas que prejudicamos com palavras e atos!

É difícil reprimir a raiva e a ofensa de forma pacífica, quando ultrapassamos os nossos limites…

“Expressemos nosso pedido de perdão em palavras e não comentemos mais os fatos acontecidos.”

Peço perdão pelo que fiz!

 

O que é o perdão

Perdoar é se livrar das lembranças que fazem sofrer.

Envolve superar rancores, planos de vingança, traição, injustiça, abandono, humilhação, um tapa e tantos outros atos do cotidiano, e reconciliar-nos com quem nos feriu.

Desentendimentos, brigas, separações e mágoas acontecem todos os dias, e a falta de perdão só torna tudo pior.

A prática do perdão é um desafio diário!

Quem precisa perdoar sente mágoa, revolta, vingança, põe a culpa no outro…

Se deixarmos esses sentimentos entrarem em nosso coração, certamente a paz sairá!

 

Muitas pessoas têm dificuldade em perdoar

Pessoas magoadas são devoradas por dentro por feridas guardadas na lembrança, que acabam retornando quando desejam esquecê-las…

Memórias que se escondem atrás de grandes muros de rejeição, melancolia, depressão, irritabilidade…

Enxugam suas lágrimas na secura do que é viver assim…

A única força capaz de superar essas mágoas e removê-las pela raiz; é o amor.

O amor sobrenatural de Deus, que nos ensina a viver e caminhar em direção à cura de nossas feridas emocionais e existenciais.

É esse mesmo amor que nos convida igualmente a perdoar quem nos tem ofendido.

Mesmo com as conturbações do passado e a resistência ao perdão, peça: “Deus, me ajude!”

  

Quem perdoa assume para si o valor e a dor da punição

Pela ofensa recebida e por abrir mão do direito de revidar ou se vingar.

Acredite, é melhor perdoar a revidar ou se vingar.

 

“Tendes ouvido: ‘Olho por olho, dente por dente’.

Eu, porém, digo: não resistais ao mau.

Se alguém te ferir a face direita, oferece-lhe também a outra”, disse Jesus.

Mateus 5:38.

 

Oferecer a face não quer dizer dar o rosto para bater.

Se a situação chega de forma desagradável, devemos mostrar o outro lado.

 

Jesus expressou um grande ensinamento; se ele fosse levado em conta, teríamos a solução para muitas situações desagradáveis que surgem em nossa vida.

Assim, se atirarem pedras, ofereça uma flor!

Quando caminharem para o lado do erro, mostre o passo certo, uma luz que ilumine as trevas e clareie a mente!

Quando a crítica for severa, ofereça uma palavra de esperança que mude o ambiente.

A capacidade de tal atitude não vem de nós; tenha a certeza de que o Espírito Santo de Deus nos auxilia – sonda nossa mente, sabe a intenção do nosso coração e do que precisamos.

 

Comprometer-se a perdoar

Fale o nome da pessoa que você precisa perdoar… e a razão.

Sinta-se agora exatamente como se sentia quando aconteceu o fato: recente ou de muito tempo atrás…

Seja honesto.

Você sente raiva, ódio, rancor, mágoa, vingança?

Trabalhe com esses sentimentos.

Talvez você encontre dificuldade para dar o primeiro passo…

Permita que Deus mude seus sentimentos e cure suas emoções negativas.

Abra-se e deixe-os ir embora…

 

Perdoe verdadeiramente.

Sinta, agora, o bem que você terá pelo perdão.

O verdadeiro perdão traz a paz, a leveza, a confiança, a liberdade interior…

A paz começa em você!

 

Imagine o quão melhor é perdoar!

 

 

O perdão como forma de vida

 

Vamos exercitar o perdão.

Somente serão perdoados aqueles que perdoarem.

Se Deus compreende nossos erros, nos mostra a correção e nos perdoa, por que não entender os erros dos outros?

Para perdoar também precisamos orar, refazendo os sentimentos de paz em nossa mente e coração.

 

“Pai nosso, que estais no céu,

Santificado seja o vosso nome; venha a nós o vosso Reino,

Seja feita a vossa vontade, assim na Terra como no Céu.

O pão nosso de cada dia dai-nos hoje,

Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido,

e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal.”

 

Doce perdão, tão doce perdão…

 

Vamos perdoar: vale a pena!

Se já percorremos um longo caminho de aprendizado, ainda temos que aprender com o amor de Deus muitas outras lições de vida!

 

 

Abraços

Jane

 

O conteúdo deste post é de inteira responsabilidade do autor. – escrito por Jane Fiorentino.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 Comentários

  1. Clécia Regina disse:

    Jane, adoro seus textos, este em particular trouxe paz para meu coração. O que você é da Isabella? Beijos no coração.

  2. marcela disse:

    Verdade só que para chegar a este estado de espirito é preciso muitas oração e fé em Deus, sendo a melhor coisa a se fazer, perdoar é preciso.