Finados

O dia 1º de novembro é dedicado a Todos os Santos, e o dia 2 de novembro é o Dia de Finados, também chamado de Dia dos Mortos. Ambos são datas da Igreja Católica.

Segundo a tradição, essa festa foi colocada nesse dia, logo após 31 de outubro, porque os celtas ingleses celebravam as bruxas e os espíritos maus que vinham se alimentar e assustar as pessoas nesse dia – o Hallowen.

 

Finados

O feriado é marcado pela ida de milhares de pessoas aos cemitérios, a fim de levar flores e velas às pessoas que já faleceram.

A homenagem aos mortos acontece por todo o mundo.

Essa é uma data de que particularmente se recordam os familiares e amigos que se encontram a caminho de comunhão com Deus.

Também é um momento de lembrar-nos do legado que os nossos falecidos nos deixaram; seus exemplos, sua sabedoria, seu carinho, seu amor.

Ir ao cemitério e deixar os túmulos dos entes queridos honradamente bem cuidado e florido é um gesto de carinho e amor.

Na dor do sofrimento pela falta de uma pessoa querida, buscamos a Deus, porque é a força do amor o que triunfa sobre a morte.

 

Dia de Todos os Santos

Neste dia se honram todos os santos que no céu intercedem por nós junto ao Pai, apresentando nossas fraquezas e nos auxiliando.

 

Na hora da morte, São Domingos disse a seus frades:

“Não choreis! Serei mais útil após minha morte, a ajudar vocês, do que durante minha vida.”

 

Santa Terezinha, que morreu ainda bem jovem, dizia:

“Passarei o meu Céu fazendo o bem aqui na Terra.”

 

Os santos foram pessoas que viveram todas a virtudes possíveis a um ser humano, e por isso são exemplos de como devemos agir.

A Igreja afirma que apenas uma pequena parte dos santos são conhecidos, e muitos que viveram de forma anônima fazendo o bem também podem ser considerados santos.

Cada um de nós é chamado a ser santo, vivendo e praticando a caridade, o amor a Deus e ao próximo.

Não existe santidade sem carregar sua cruz, e viver principalmente o desapego!

Esta é uma luta diária contra nós mesmos, que nos leva gradualmente a viver na paz e na alegria das bem-aventuranças.

Disse São Gregório de Nissa:  “Aquele que vai subindo jamais cessa de ir progredindo de começo em começo, por começos que não têm fim”.

 

A marca dos santos são as bem-aventuranças

– Bem-aventurados os que têm um coração simples, porque deles é o Reino dos céus!

– Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados!

– Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra!

– Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados!

– Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia!

– Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus!

– Bem-aventurados os pacíficos, porque serão chamados filhos de Deus!

– Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos céus!

– Bem-aventurados sereis quando vos caluniarem e perseguirem e disserem todo o mal falsamente por causa de mim. Alegrai-vos, porque será grande a vossa recompensa no Céu!

(Palavras de Jesus: Evangelho de Mateus, 5)

 

Corpos incorruptíveis

Alguns santos da Igreja Católica que viveram na Terra possuem seus corpos ainda preservados. Permanecem indestrutíveis, com órgãos preservados e membros flexíveis.

Continuam da mesma forma como em vida, parecendo adormecidos, fato que a ciência ainda não consegue explicar.

Acredita-se que esses acontecimentos são milagres, visto que ocorrem com pessoas consideradas santas.

Apenas os corações puros e de muita fé resistiriam à decomposição depois da morte.

Segundo a Igreja, dessa forma os santos recordam ao mundo sua existência, que não se corrompeu, levando uma vida livre de vícios.

Eles amaram a Deus de modo extraordinário durantes suas vidas. Por isso, seus corpos foram respeitosamente preservados, e serão recebidos de forma gloriosa na Ressurreição dos mortos.

 

Fatos extraordinários

– Alguns deles exalam perfumes de suave fragrância: Santa Catarina de Ricci, São Felipe Neri, São João da Cruz, São Francisco de Paula, Santa Rosa de Viterbo, Santa Gema Galgani, São José upertino.

– Outros transpiram líquidos especiais: Santa Maria Madalena de Pazzi, Santa Júlia Billant, Santa Teresa D’Ávila, São Camilo Lelis.

– O óleo que flui do corpo da beata Mattia Mazzerei, que morreu em 1320, continua jorrando de suas mãos e pés até os dias de hoje.

– O corpo de São Charbel Markhlouf foi depositado em um túmulo sem caixão como regra da Igreja Maronita. Quatro meses depois da morte, seu cadáver estava coberto de lama, mas seu aspecto era natural e flexível, vertendo sangue e água.

– O corpo de Santa Bernardete de Soubirous está intacto desde 3 de agosto de 1925, em uma urna de cristal na França.

– São Silvano, morto no século 4, está em exposição na Igreja de São Brás na Croácia. Seu corpo continua intacto 1.700 anos após sua morte.

– O Padre Pio morreu em 1968, e seu corpo está exposto em San Giovanni Rotondo, na Itália.

 

Esses santos morreram e suas almas foram ao encontro de Deus, mas seus corpos estão intactos, desafiando a ciência.

Nossa vida é preciosa, e nos é dada principalmente para nosso crescimento espiritual.

Vamos dar mais valor à vida! Dizer que amamos uns aos outros, enquanto vivemos e praticamos atos de amor.

Sinta um desejo imenso de progredir espiritualmente, começando pela oração; é uma forma de avançar para níveis mais altos da existência na vida após a morte.

 

Morte: um tempo de que ninguém pode escapar

“… e o pó volta à terra como era e o espírito volta a Deus, que o deu” (Livro do Eclesiastes 12,7).

“Assim cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus” (Carta aos Romanos 14, 12).

A decomposição do corpo

Na morte, o coração para de bater, e sem oxigênio as células morrem.

As primeiras células são as cerebrais, que morrem em 3 a 7 minutos.

A temperatura média do corpo, de 37 graus, cai de 1 a 2 graus em uma hora, pois não há mais circulação sanguínea.

A pele se torna flácida e perde a elasticidade, em média após 24 a 48 horas.

Em cerca de 3 horas, os músculos voluntários e involuntários começam a tomar uma forma rígida e cadavérica.

O corpo começa a apodrecer e gradualmente se desintegra, produzindo gases, como dióxido de carbono, metano e amônia, que são expelidos pelo nariz e evaporam. Esse processo é responsável pelo cheiro característico.

Insetos são atraídos pelo odor e pousam sobre o corpo para depositar ovos. Esses ovos eclodem em larvas que se alimentam de carne pútrida.

O pâncreas se autodestrói, e os tecidos se liquefazem devido à ação dos gases.

O cérebro e o fígado se estufam, e posteriormente também se liquefazem.

Depois, todos os órgãos, músculos e tecidos são destruídos.

As bactérias que habitavam naturalmente a flora intestinal, buscam sua própria sobrevivência; por isso, invadem outros tecidos e ajudam a destruir o corpo onde elas mesmas habitavam.

Começa o processo de ossificação, que pode durar anos.

O cadáver perde totalmente a umidade; agora só restam ossos, couro, cabeludo e pelos. O corpo é habitado por besouros e lacraias em busca de abrigo.

Finalmente, o corpo desaparece…

 

Fonte: Site Livraria criminal.

 

Vamos ser mais humildes?

Se pudéssemos refletir, de vez em quando, que a existência humana é passageira, viveríamos com mais amor, seríamos mais tolerantes e compassivos com o próximo, evitaríamos os debates infrutíferos e egocêntricos.

Afinal, todos terminaremos como carne podre e ossos secos um dia!

Às vezes olhamos nossa vida pela perspectiva do final de uma tumba, que será fechada com a terra e uma pedra em cima.

Mas, para os cristãos, Jesus Cristo está diante dessa pedra, Ele que é a Ressurreição e a Vida eterna.

 

Interessem-se e estudem!

 

Abraços,

Jane Fiorentino

 

O conteúdo deste post é de inteira responsabilidade do autor. – escrito por Jane Fiorentino.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *