Colesterol

Parece algo simples, um assunto já batido, mas não é. Quando se fala em colesterol alto, isso está muito além de apenas deixar de comer frituras. Quando o nível de colesterol total está alto, a chamada hipercolesterolemia, os riscos à saúde aumentam. Os motivos de ter essa condição são variados: alimentação, tabagismo, hereditariedade, obesidade e sedentarismo. E é aqui que entra a minha parte: treinos! Se você tem uma vida corrida e “não tem tempo” pra treinar, repense isso.

Nossa rotina, em grande parte, em nada favorece nossa saúde e bem-estar. Pegamos trânsito, ficamos estressados no trabalho, há a poluição, a má alimentação etc. Portanto, tentar ter uma rotina pelo menos um pouco ativa (de 3 a 4 vezes na semana) é fundamental pra ter uma vida longa e sem preocupações com a saúde.

Pra deixar bem claro, o colesterol não faz mal nenhum à saúde – pelo contrário, ele é fundamental para o funcionamento do nosso corpo, responsável por funções como produção da vitamina D, hormônios, formação de membranas celulares, dentre outras. O caso é que o corpo utiliza apenas uma parte, cuja produção é iniciada no fígado. O excesso que ingerimos inadequadamente, e também pelos variados motivos citados acima, esse sim prejudica, pois vai se acumulando na parede das artérias, e é aí que mora o perigo. Com o passar do tempo, as artérias vão ficando cada vez mais entupidas, prejudicando o fluxo sanguíneo e o bom funcionamento do coração, aumentando as chances de problemas cardíacos.

Temos três tipos de colesterol no sangue: o VLDL, considerado muito ruim, pois ele é o responsável por transportar triglicérides pra corrente sanguínea. Na prática, isso significa que temos uma quantidade muito alta de carboidratos e gordura no organismo. Quanto mais gordura e açúcares no sangue, maior o nível de VLDL. O colesterol considerado “apenas” ruim é o LDL, que tem basicamente a mesma função do anterior, depositando-se em excesso nas artérias. Já o terceiro tipo, o HDL, é o colesterol bom. Ele ajuda a limpar nossas artérias, ao contrário dos anteriores. Então, no seu exame de sangue, o HDL precisa estar proporcionalmente maior do que o VLDL e o LDL, em relação aos limites estipulados individualmente.

Isso é uma abordagem básica do significado do colesterol. Meu ponto principal aqui é: Como reduzir o ruim e aumentar o bom colesterol? A resposta é reeducação alimentar e atividade física! Se no seu caso a doença é hereditária, muito provavelmente precisará usar medicamentos também!

A dieta, ou reeducação alimentar, ajudará a diminuir os níveis do colesterol ruim, juntamente com exercícios anaeróbicos, ou seja, aqueles que envolvem mais força, como a musculação, por exemplo. Para aumentar os níveis do bom colesterol, são indicadas atividades aeróbicas, como caminhadas, natação, ciclismo, tudo que envolva um aumento maior da frequência cardíaca e a mantenha entre 65 e 80% da sua capacidade máxima durante todo o exercício. Vale ressaltar que toda atividade é bem-vinda, desde que seja coerente com sua capacidade física atual. Não pule etapas e comece devagar, se você for sedentária. Muitos dos artigos de treinos publicados aqui no site podem te ajudar nesse objetivo!

 

O conteúdo deste post é de inteira responsabilidade do autor. – escrito por Rapha Fiorentino.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *